Sobre religião, poder da mídia e tecnologia

Por Renato Silvestre

O avanço da tecnologia e, principalmente, de mecanismos que possibilitaram o crescimento da relevância da mídia na vida das pessoas, fez com que a forma de interação entre a sociedade e as instituições religiosas passasse por transformações e por readaptações próprias da condição humana. Aos poucos, os detentores do poder religioso também começaram a ver nos avanços da tecnologia midiática uma ótima possibilidade de chegar mais rapidamente aos corações e mentes de seus fiéis.

O rádio no Brasil talvez tenha sido a primeira grande ferramenta de interação midiática das igrejas com seus seguidores. Lançado em 1929, nos Estados Unidos, o Programa a Voz da Profecia, produzido pela Igreja Adventista do Sétimo Dia, chegou ao Brasil em 1943, sendo transmitido por 17 emissoras para diferentes cidades do país. O programa é considerado o primeiro do gênero, em âmbito nacional no rádio brasileiro. Obviamente, em menor escala, em muitas pequenas cidades brasileiras historicamente sempre houve nas rádios locais os chamados momentos de oração, onde famílias inteiras acompanhavam com afinco as preces diárias, geralmente, com uma abordagem católica.

O crescimento dos meios de comunicação resultou no papel fundamental da televisão como um dos principais, se não o único meio de informação, para boa parte da população. Hoje, temos emissoras que dedicam toda a sua programação a conteúdos religiosos e até contam com certa estruturada profissionalizada, como é o caso da Rede Vida e da Canção Nova.

Paralelamente também há igreja, como a Universal do Reino de Deus, que investiu e ainda investe pesadamente em seu canal de TV, no caso a TV Record, disputando de igual para igual com outras emissoras, com conteúdos populares e não religiosos, mas sem é claro não deixar de reservar espaços para propagar sua crença. A Universal possui ainda materiais impressos e espaços na internet que se utilizam de todas as mais modernas ferramentas de interação.

Em última instância, navegando pela internet e principalmente pelas redes sociais, não podemos deixar de perceber a enorme quantidade de perfis de usuários atrelados aos mais diversos grupos religiosos e que usam do alto potencial de alcance destas novas mídias como verdadeiros megafones de seus interesses.

Criam-se seguidores virtuais que podem tornar-se reais e juntam-se os reais em outra esfera de discussão que não somente os templos. Observa-se claramente que as igrejas (leia-se todas e as mais diversas) passaram a ver na mídia um campo altamente produtivo, e nas redes sócias um espaço ideal para colocação de seus ideias e para a aproximação com pessoas diversas, que talvez jamais ousassem adentrar fisicamente neste ou naquele templo religioso.

O Papa João Paulo II, certamente uma das figuras mais emblemáticas do século XX, é um exemplo desta interação entre religião, mídia, poder e tecnologia. Durante seu papado a Igreja Católica buscou abrir-se e sua própria figura foi ostensivamente reforçada na mídia. Seus passos eram seguidos por centenas, talvez milhares de jornalistas de todos os cantos do Planeta e a sua presença no país X ou Y sempre virava notícia. Parafraseando o cantor gaúcho Humberto Gessinger, “o Papa virou Pop”.

Nesta trilha, Padres começaram a aparecer em programas de TV, produzir e atuar em filmes e gravar CDs, vide Marcelo Rossi. O atual Papa da Igreja Católica Apostólica Romana, também tenta não ficar pra traz. Prova disso é que há quase um ano, em 29 de junho de 2011, Bento XVI twitava pela primeira vez utilizando um iPad.

Além das lideranças religiosas, tal e qual no campo político, há a militância religiosa que age pesadamente na internet, buscando cada vez mais seguidores e iguais, que possam neste território ainda pouco explorado caminhar juntos levando suas mensagens e crenças.

Podemos observar que as redes sociais digitais mostram-se como verdadeiros espelhos da sociedade contemporânea e os religiosos, como parte dela, mostram-se e usam deste espaço na tentativa de conquistar novos adeptos, indo exatamente onde as pessoas buscam cada vez mais se mostrarem, construindo identidades nem sempre compatíveis com as reais. A busca por fiéis sai somente do campo físico e chega ao virtual, almejando-se o espiritual.

Os próximos passos deste processo ainda não são conhecidos, mas pode-se afirmar que o futuro da religiosidade ou espiritualidade quase que certamente passará pela tecnologia midiática de celulares, tablets, notebooks e afins. Uma bela de uma contradição para quem usa velas de cera nos mais variados ritos e rituais. A religião para manter-se como fator de peso na sociedade mais do que nunca precisará apelar ao Deus da mídia e da tecnologia.

Anúncios

Como educar nossos filhos?

Por Natália Sper

Vivemos a Era da Tecnologia, onde a Revolução Midiática trouxe transformações no comportamento, na forma de convivência, além de mudanças significativas no contexto cultural, social e econômico. Vivemos a transição de uma sociedade analógica para a digital.

No entanto, esse novo paradigma é a realidade para muitas pessoas (eu diria para a população jovem que já nasceu inserida nesse contexto), mas é um desafio para diversas outras pessoas, antes acostumadas a modelos de vida mais simples (pois, na avaliação dessa parcela, esse papo de tecnologia é algo deveras complicado). Inseridos nesse novo mundo, fica a pergunta: como educar nossos filhos?

As crianças nascidas nessa era estão habituadas a outro modo de vida, seus gostos, preferências não fazem mais parte daqueles acostumados por seus pais. Hoje essas crianças e jovens preferem uma tela de computador a bater uma bola, escolhem pela televisão ao invés de soltar pipas; e isso não é só uma questão de gosto, mas é o que lhes é oferecido.

A problemática não está nessas mudanças de atividades, pois muitas coisas alteram-se de geração para geração, o problema é como as crianças consomem esse entretenimento e como se distanciam de laços afetivos, como supervalorizam aspectos digitais e desconhecem realidades. Os pais não conseguem mais dialogar com seus filhos, não conseguem compreender o mundo que estão adaptados, não sabem mais qual é o jeito certo de agir para uma educação eficiente e de resultados.

Será, portanto que Aldous Huxley já previa essa sociedade tecnológica quando escreveu “Admirável Mundo Novo”, em 1932? E sua ideia de um mundo dividido por castas, pessoas concebidas em tubos de ensaio, a perda do espaço público, o declínio da instituição família (uma das mais poderosas desde a antiguidade) e a valorização pelo trabalho, já foi uma análise, ou melhor, um alerta, do que estava por vir?

Capitalismo e Tecnologia: Aliados perfeitos

Por Natália Sper

Desde que o homem se entende por homem e aprendeu a conviver em sociedade, ele precisou rever conceitos e formas de convivência. Por conta disso, para promover um lugar mais organizado, criou as leis, que a princípio, pareciam ser a medida exata para garantir uma comunidade livre de problemas e desigualdades. Após criar as leis era preciso criar uma instituição que pudesse organizá-las, eis que surge o Estado. Porém, a própria noção de Estado já fere a ideia de igualdade para todos, a partir do momento em que há uma divisão do poder, na qual uma parcela é responsável por determinar o que todos deverão fazer juntos ou não. Sendo assim, o espaço público, deveras vezes, fica comprometido e a própria ideia de “público”, equivocada. Levantando essa questão, é que o filósofo Jürgen Habermas, traz à tona a noção de “esfera pública”, que em resumo, se dá pela ação comunicativa e formação discursiva da opinião e da vontade.

No entanto, o conceito trazido por Habermas e debatido por diversas pessoas, entra em conflito e novas percepções de “esfera pública” são levantadas; e não só a esfera pública em si, mas também outras, como a esfera pública política e a esfera pública literária. Segundo, Jorge Almeida, em Mídia, Opinião Pública ativa e Esfera Pública democrática, “atualmente, não encontramos uma esfera pública como aquela descrita inicialmente por Habermas. Ou seja, a reunião de um público, formado por pessoas privadas, que constroem uma opinião pública com base na racionalidade do melhor argumento, e fora da influência do poder político e econômico”. Portanto,  podemos dizer que a tese defendida por Habermas está um pouco “ultrapassada”, e de acordo com Almeida, isso devido “à burocratização e mercadorização crescente do espaço público, à manipulação e ao papel que a mídia e marketing exercem neste sentido”.

Com a Revolução Tecnológica e Midiática, os veículos de comunicação passam a exercer um papel fundamental na sociedade e, consequentemente, no que Habermas chama de “esfera pública literária”. Contudo, com o modelo capitalista e o consumismo como parte ativa da vida das pessoas, a esfera pública literária experimenta o início de seu declínio, afinal como o próprio filósofo declarou na obra Mudança Estrutural da Esfera Pública, “as leis do mercado já penetram na substância das obras, tornando-se imanentes a elas como leis estruturais”.

Podemos ampliar o efeito dessa mudança e acrescentar outro elemento que vem contribuindo para a alteração da esfera pública literária: a internet. Pois, sendo um arranjo comunicacional de redes digitais, ela propicia uma desintermediação, o que está alterando a esfera pública e a comunicação com as instituições de poder.

Portanto, agora podemos citar a internet como um espaço de deliberação, onde as pessoas podem expor suas opiniões e vontades, além de discutirem sobre diversos temas. Verdadeiramente um espaço de conversação mútua, que está mudando a própria relação entre público e privado, a partir do momento em que qualquer pessoa tem poder para deliberar uma ideia e condições de dissipá-la em frações de segundo.

A maior alteração que a internet trouxe, e que foi possível graças ao sistema capitalista que impera nos dias de hoje, está na cadeia de valor. Pois, se antes os “mass midia” controlavam o conteúdo em 100%, no que diz respeito: 1) a produzir o conteúdo 2) manipular industrialmente o material (desde o papel até a impressão) e 3) distribuir o produto; hoje as tarefas são distribuídas. A internet detém R$ 2,4 trilhões, que são divididos em: 1) 60% para as empresas de acesso 2) 20% aos agregadores 3) 14% aos devices/softwares e 4) 7% a quem produz conteúdo.

Portanto, é válido discutir o quê a Revolução Tecnológica e Midiática, aliada ao sistema capitalista, trouxe de novo e ainda está trazendo, tanto no aspecto da mudança da esfera pública literária, como no futuro dos veículos tradicionais e dos jornalistas/repórteres, mas é fundamental que se promova uma discussão ao redor da maneira como está se dando a cadeia de valor, a forma como as pessoas estão consumindo informações e como essas estão sendo vendidas, pois isso revela um novo paradigma, que reúne aspectos políticos, econômicos, sociais e culturais.

Entre o Ter e o Ser tecnológico

Por Renato Silvestre

“Um bom computador e um carro veloz pra me manter distante de mim”. Esse verso que inicia a canção “Zero e Um” da banda capixada de hard core, Dead Fish, retrata um pouco do espírito do nosso tempo. Um tempo onde o Ter e Parecer corre o risco de tornar-se mais relevante do que Ser.

Nesse tempo de computadores portáteis, celulares magníficos e redes sociais digitais que fascinam e conectam pessoas ao redor do Planeta, em velocidades cada vez maiores, a tecnologia deixa de ser um mero suporte físico aos anseios de criação humanos. Em certa medida, a tecnologia deixa de ser meio e passa a ser o fim, ou o princípio dele.

O convívio social, outrora, fundamental para o processo de autoconhecimento do ser humano é substituído pelo isolamento frente a telas cada vez mais finas. Mesmo quando acompanhados parecemos cada vez mais distantes uns dos outros, distantes de nós mesmos. Ou será que ninguém nunca viu pessoas sentadas à mesma mesa dialogarem mais com seus celulares do que com quem está a sua frente? Ou famílias inteiras mais atentas à novela que colore a TV do que a vida de seus próprios “entes queridos”?

Há uma aflição que paira nesse nosso poluído ar pós-moderno. Uma aflição que se confunde com o deslumbramento diante da “admirável” tecnologia que construímos.

O filósofo tcheco Vilém Flusser já alertava para esse risco constante da criatura tornar-se mais importante do que o criador, fazendo deste um funcionário/dependente de forma extrema do outro.

Estaríamos correndo este risco ou essa seria apenas parte de nossa “evolução” como espécie?

Não é simples responder a esse questionamento, pois a mesma tecnologia que aprisiona também pode libertar, se for usada com sobriedade.

Um exemplo claro disso aconteceu durante a conhecida “Primavera Árabe”, no início de 2011, onde uma onda de manifestações contra os governos ditatoriais em países do norte da África e do Oriente Médio se alastrou e ganhou força por meio de redes sociais digitais como o Facebook e o Twitter. O resultado imediato foi a ganho da atenção mundial, a pressão política e a consequente queda de ditadores como Zine el Abidin Ben Ali e Hosni Mubarak, que se permeavam no comando dos países por 23 e 30 anos, respectivamente.

Por outro lado, esse avanço tecnológico nos faz passar por um tempo de transição, um tempo que causa estranhamento e que é capaz de criar “não lugares” (brincando com o conceito do francês Marc Augé) até nos lugares mais improváveis, como a nossa casa ou nossa família, pois se não há vivência, sentimento de pertencimento, interação e, principalmente, vínculos reais e humanos o “lar doce lar” vira pó tecnológico.

Se fazemos parte de um gigantesco rebanho de um “Admirável Gado Novo” – parafraseando a música de Zé Ramalho – e se estamos atrelados a loucura do consumismo de quem sempre quer o “Admirável Chip Novo” – recordando a canção da baiana Pitty –, só o tempo poderá confirmar. No entanto, o que vejo é que esse “povo marcado e feliz” ainda continua extremamente preso ao poder do talvez imutável “pense, fale, compre, beba”, que desumaniza e programa a humanidade para seguir nessa eterna correria cotidiana, cada vez “mais rápido”!

Fica a reflexão: “Todo excesso traz, em si, o germe da autodestruição!”, Aldous Huxley.

Qual é a próxima parada?

Por Natália Sper

Por vezes, me pergunto, para onde caminha a humanidade?

Cada vez mais pautada pelo mundo tecnológico, pelos assuntos disponíveis nas redes sociais, pelos vídeos postados no Youtube, as relações humanas tendem a se desfalecer ou para alguns – com uma visão não tão apocalíptica – o que se está em jogo é somente uma reestruturação das relações: não perdem-se os vínculos, apenas alteram-se.

Mas, o fato é que nessa “Era Digital” o mundo, as pessoas, os comportamentos estão mudando. Alguns defendem a ideia de que o caminho é positivo e o progresso, necessário e inevitável! Para outros, o regresso é absoluto e evidente, os pontos são cada vez mais negativos!

O que pretendo propôr, não é uma análise dualista entre “bom e ruim” (até porque, acredito que isso seja algo bem particular), mas o que busco é trazer para reflexão o que essas mudanças estão causando nas relações humanas, na perda da identidade, na era do consumismo e na busca pela perfeição inalcançável.

Aproveito o momento e recomendo – para quem não assistiu – o filme da Walt Disney, Wall-E, que em uma linguagem simples e delicada, traz à tona esses e outros (importantes) temas.

Atualmente o que temos é uma alteração na forma de convívio, uma perda do espaço público e uma alteração na forma de consumir/produzir informação. Isso a curto e médio prazo pode parecer natural, mas me questiono: a longo prazo, qual cenário teremos? Afinal, os vínculos se alteram, mas não se estreitam. Para onde caminha a humanidade? Você sabe qual é a próxima parada?

Sejam bem-vindos ao nosso universo!

Por Alessandra Rios

“Admirável Tecnomídia” é uma metáfora pós-moderna. Uma saudação a Aldous Huxley, em sua célebre obra Admirável Mundo Novo e a tudo o que ela nos convida a refletir e associar aos nossos objetos de estudo: mídia,  poder e tecnologia.

Pensar em tecnologia, especialmente dentro do contexto da Comunicação e as formas de poder exercidas por esses meios é uma forma de instigar a nossa busca pela compreensão acerca de um recorte do mundo e das relações que nele se estabelecem.

A pretensão deste blog não é a de encontrar respostas. “Pretender” também é algo muito arriscado e supõe arrogância, presunção e vaidade, efeitos contrários do que se espera de quem anseia compreender. Utilizemos, ao invés da pretensão, o diálogo.

Sim, o desafio é justamente este, o de proporcionar aos envolvidos, de forma breve, um diálogo com a teoria, com a poesia e com a arte, como em uma conversa que trocamos informalmente durante um café ou no barzinho da esquina.

Dizer que nos propomos a compreender “de forma breve” é outro perigo. “A síntese do espírito de finura pode transformar-se na própria essência da não-verdade”, precaução tomada por Aldous Huxley, no prefácio de seu Regresso ao Admirável Mundo Novo.

“Porém, a vida é curta e o conhecimento limitado… na realidade, somos forçados a optar entre uma exposição impropriamente breve e a impossibilidade de expor.” A escolha é um processo ingrato, mas é preciso escolher. Fiquemos, então, com o segundo convite do autor, sob o risco consciente das necessárias omissões.